Relembrando Amália

De manhã, que medo, que me achasses feia!
Acordei, tremendo, deitada n'areia
Mas logo os teus olhos disseram que não,
E o sol penetrou no meu coração.
Vi depois, numa rocha, uma cruz,
E o teu barco negro dançava na luz
Vi teu braço acenando, entre as velas já soltas
Dizem as velhas da praia, que não voltas

São loucas! São loucas! São loucas

Eu sei, meu amor,
Que nem chegaste a partir,
Pois tudo, em meu redor,
Me diz qu'estás sempre comigo.

São loucas! Que perfeito…São loucas!

Que perfeito coração
No meu peito bateria,
Meu amor na tua mão,
Nessa mão onde cabia
Perfeito o meu coração.

Se uma gaivota viesse
Trazer-me o céu de Lisboa
No desenho que fizesse,
Nesse céu onde o olhar
É uma asa que não voa,
Esmorece e cai no mar.

Que perfeito coração
No meu peito bateria,
Meu amor na tua mão,
Nessa mão onde cabia
Perfeito o meu coração.

Povo que lavas… Perfeito o meu coração

Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

Mas a tua vida não!


Original: Barco Negro: David Mourão-Ferreira/Caco Velho; Gaivota: Alexandre O'Neill/Alain Oulman; Povo que Lavas no Rio: Pedro Homem de Mello/Joaquim Campos
Compilação de temas: Ana Carolina "Santana" Santos; Maria Inês "Bellamy" Figueiredo
Arranjos: EncantaTuna - TAFUBI

Sem comentários: