Lisboa é a minha Cidade

Minha terra é a mais bela!
É bela e não tem idade…
Vigio-a da minha janela
Lisboa é a minha cidade.
 
Coração apaixonado
Morro de paixão e amor
Apraz-me ver em flor
No castelo enfeitiçado,
Perdido, vivo em pecado…
 
Viajo na canoa à vela
Vejo Alfama aguarela
Rio acima com ternura
Subo o Tejo na ventura
Minha terra é a mais bela!
 
Mouraria vem navegar
À desgarrada partir
Meu amor não quer ir
É tarde! Vamos marchar
Se partir hei-de voltar

No chão flores de jade
Madragoa é tal saudade
Doce encanto, sacro  mel,
Nunca me soubeste a fel.
É bela e não tem idade…
Coração foi bem levado
No trinar duma guitarra
Está frio, veste a samarra!
 
Bairro Alto, meu pecado
Boémias e noites de fado
Cravos rubros na lapela
Não passes por mim sem ela…
 
Voltei e já fui à Graça
Por São Vicente se passa,
Vigio-a da minha janela
Subi à Bica e vou a pé
A pé desci ao Rossio
Caricia do Paço ao rio
E ao Santo António da Sé.
Entrei e rezei com fé!
 
Sete morros de amizade
Vivendo em liberdade
Resguardam estes tesouros:
Latinos, Godos e Mouros,
Lisboa é a minha cidade
Lisboa é a vossa cidade.



Letra: Rogério Martins Simões
Melodia
:
Ana Carolina "Santana" Santos 
Arranjos: EncantaTuna - TAFUBI

3 comentários:

POETAROMASI disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
POETAROMASI disse...

Desculpem mas falta o que escrevi antes:
Olá meninas,
Tomei conhecimento que o meu poema Lisboa é a minha Cidade estava aqui. Depois li que o mesmo terá sido musicado e cantado pela Tuna.
Também vi e li que o mesmo está devidamente identificado, com o nome do seu autor que sou eu. Não é a primeira vez que tal acontece. Um dia recebi uma informação que o meu poema “Amo-te Lisboa Virada ao Tejo” estava no hall de entrada do Hotel NOVOTEL, também devidamente identificado e ainda lá está ocupando uma parede com uma grande dimensão. Mas em outro caso fui previamente informado e recebi um pedido da Editora Abril e a Ática Editora do Brasil onde me solicitaram autorização para incluírem o meu poema DARFUR SUDÃO num livro do Ensino Médio brasileiro. Claro que fiquei muito feliz, pois não será todos os dias que um humilde poeta português tem um poema a ser estudado numa obra no Brasil.
No vosso caso e dado o terem devidamente identificado também fico feliz feliz por o terem musicado e desde já têm a minha autorização para tal. Também quero acrescentar que acertei alguns versos e deixo aqui a nova versão.
Finalmente queria solicitar que me cedessem cópia do resultado do vosso canto.
Deixo votos para que continuem a animar as festas com a vossa participação.
Cumprimentos
Rogério Martins Simões
Lisboa é a minha Cidade!

POETAROMASI disse...

Aqui está o poema um pouco alterado
Lisboa é a minha Cidade!
Rogério Martins Simões

Mote

Minha terra é a mais bela,
É bela, e não tem idade,
Vigio-a da minha janela:
Lisboa é a minha cidade

Glosa

Com o fado a meu lado,
E sete colinas em flor,
Beijo o fado por amor,
No Castelo enfeitiçado:
Perdido vou em pecado.
Viajo na canoa à vela,
Vejo Alfama aguarela,
Rio acima com ternura,
Subo o Tejo na ventura
Minha terra é a mais bela!

Mouraria vem navegar...
À desgarrada partir.
O meu amor não quer ir,
É tarde, vamos marchar,
Se partir hei de voltar.
No chão flores de jade
Madragoa é qual saudade
Doce encanto, sacro mel,
Nunca me soubeste a fel.
É bela e não tem idade.

Coração apaixonado,
No trinar duma guitarra,
Está frio, veste a samarra.
Bairro Alto, meu pecado,
Boémias e noites de fado.
Cravos rubros na lapela,
Não passes por mim sem ela,
Voltei e já fui à Graça,
Por São Vicente se passa,
Vigio-a da minha janela.

Subi à Bica, e vou a pé.
A pé desci ao Rossio,
Carícia do Paço ao rio,
E Santo António da Sé,
Entrei, e rezei com fé!
Sete morros de amizade,
Vivendo em liberdade,
Resguardam estes tesouros:
Latinos, Godos e Mouros,
Lisboa é a minha cidade!

Lisboa, 23 de janeiro de 2008
Alterado 28-11-2010 20:53:42
(Registado no Ministério da Cultura
- Inspeção-Geral das Atividades Culturais I.G.A.C. –
Processo n.º 2079/09)